plano

p { margin-bottom: 0.21cm; }

PLANO DE AULA 31/10/2011

 

PORTUGUÊS E ARTE

 

OBJETIVOS

LP- Ler e interpretar texto, localizando informações explícitas e implícitas.

AE- Reconhecer os elementos visuais e suas formas de manifestações.

 

CONTEÚDOS

LP- Interpretação textual

AE- Elementos visuais

 

 

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B 1H/A 1º ANO B

 

MATERIAIS

Livro primeiro aprender.

 

METODOLOGIA

Leitura de texto reflexivo e dinâmica de relaxamento.

Leitura de texto e resolução da atividade.

 

AVALIAÇÃO

Assiduidade e participação.

 

 

PLANO DE AULA 03/11/2011

 

PORTUGUÊS E ARTE

 

OBJETIVOS

LP- Desenvolver a habilidade de interpretação de diversos textos.

AE- Identificar as diferentes estruturas do auto da barca de Gil Vicente.

 

CONTEÚDOS

LP- Interpretação de textos.

AE- O auto da barca de Gil Vicente.

 

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B 1H/A 1º ANO A

 

MATERIAIS

UCA.

 

METODOLOGIA

Apresentação da peça.

Leitura, explicação, resolução e correção da atividade.

 

AVALIAÇÃO

Desempenho.

 

 
 

atividade

 

p { margin-bottom: 0.21cm; }

Atividade de Língua Portuguesa

(HABILIDADE – Estabelecer relação de causa e consequência entre partes e elementos do texto.

2- Leia o texto abaixo.


Desmatamento da Amazônia

 

O corte de muitas árvores, feito de maneira irregular ou ilegal, provoca a diminuição das chuvas, diminuindo assim a quantidade de água dos rios, por exemplo. Outro problema do desmatamento é a erosão dos solos e o assoreamento dos rios. Isso significa que, sem as árvores, as margens dos rios ficam desprotegidas. Assim, as águas das chuvas carregam terra para dentro do rio, diminuindo seu leito.


CARRARO, Fernando. Amigos do Planeta Azul. São Paulo: FTD, 2006. ( P050190A9_SUP)


De acordo com esse texto, a diminuição das chuvas provoca


a) o aumento do corte de árvores

b) a diminuição da água dos rios

c) a erosão dos solos

d) o assoreamento dos rios.


(HABILIDADE - Inferir o sentido de palavra ou expressão.)


3- Leia o texto abaixo.


O HOMEM DO OLHO TORTO


No sertão nordestino, vivia um velho chamado Alexandre. Meio caçador, meio vaqueiro, era cheio de conversas - falava cuspindo, espumando como um sapocururu. O que mais chamava a atenção era o seu olho torto, que ganhou quando foi caçar a égua pampa, a pedido do pai. Alexandre rodou o sertão, mas não achou a tal égua. Pegou no sono no meio do mato e, quando acordou, montou num animal que pensou ser a égua. Era uma onça. No corre-corre, machucou-se com galhos de árvores e ficou sem um olho. Alexandre até que tentou colocar seu olho de volta no buraco, mas fez errado. Ficou com um olho torto.


RAMOS, Graciliano. História de Alexandre. Editora Record. In Revista Educação, ano 11, n. 124, p. 14.


Leia novamente a frase abaixo.


“Alexandre rodou o sertão, mas não achou a tal égua.”


Nessa frase, rodou significa



a) girou

b) percorreu

c) rodopiou

d) analisou


(HABILIDADE AVALIADA – Identificar o tema de um texto.)


4- Leia o texto abaixo.


Animais têm sentimentos?


Experiências e observações feitas por especialistas mostram que

é possível que bichos sintam alegria, tristeza, raiva ou ciúme, como nós. Eles não falam, mas parecem demonstrar sentimentos em certas ações. Há casos de elefantes que emitem sons diante de ossos de parentes mortos, como se estivessem se lamentando, e de búfalos que deslizam no gelo, aparentemente só por diversão. Os cães, que convivem de perto com os humanos, conseguem expressar muitas emoções, como medo e alegria.

CRISTIANINI, Maria Carolina. Recreio. São Paulo: Abril, ano 9, n. 464, jan. 2009.( P050336A9_SUP)

Qual o tema desse texto?

a) Os sons dos elefantes

b) As brincadeiras dos búfalos.

c) A convivência entre cães e homens

d)O sentimento dos animais


(HABILIDADE – Inferir uma informação implícita em um texto.)


5- Leia o texto abaixo.


O Feitiço do sapo

Eva Furnari


Todo lugar sempre tem um doido. Piririca da Serra tem Zóio. Ele é um sujeito cheio de idéias, fica horas falando e anda pra cima e pra baixo, numa bicicleta pra lá de doida, que só falta voar. O povo da cidade conta mais de mil casos de Zóio, e acha que tudo acontece, coitado, por causa da sua sincera mania de fazer “boas ações”. Outro dia, Zóio estava passando em frente à casa de Carmela, quando a ouviu cantar uma bela e triste canção. Zóio parou e pensou: que pena, uma moça tão bonita, de voz tão doce, ficar assim triste e sem apetite de tanto esperar um príncipe encantado. Isto não era justo. Achou que poderia ajudar Carmela a realizar seu sonho e tinha certeza de que justamente ele era a pessoa certa para isso. Zóio se pôs a imaginar como iria achar um príncipe para Carmela. Pensou muito para encontrar uma solução e finalmente teve uma grande idéia de jerico: foi até a beira do rio, pegou um sapo verde e colocou-o numa caixa bem na porta da casa dela.

FURNARI, Eva. O feitiço do sapo. São Paulo: Editora Ática, 2006, p. 4 e 5. Fragmento.

Colocar um sapo na porta da casa de Carmela foi uma idéia de jerico, porque essa idéia é


a) perigosa

b) absurda.

c) maldosa

d) secreta.

 

 

 

 
 

atividade

p { margin-bottom: 0.21cm; }

(HABILIDADE – Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto.)

6- Leia o texto abaixo.

Só serei feliz

Se tiver grana, roupas legais e puder gastar com o que bem entender.

A gente não vai aqui repetir o velho ditado dizendo que “dinheiro não traz felicidade”, como se isso fosse um consolo para quem está sem grana. Mas também não dá para bancar a cínica e rebater afirmando que “trazer, não traz, mas compra”. Brincadeiras à parte, a verdade é que a felicidade é um estado que não se compra, mas pode ser encontrada nas coisas mais simples da vida. Você pode experimentar, por exemplo:

* Tomar um picolé;

* Levar seus olhos para passear e ver quanta coisa bonita existe na natureza para ser apreciada;

* Dividir uma pizza com os amigos;

* Andar de mãos dadas com o namorado;

* Surpreender seu pai que chegou cansado do trabalho com um beijo carinhoso;

* Sair para passear com seu cachorrinho;

* Tomar conta da filhinha da vizinha e brincar de fazer bolinhas de sabão.

Enfim, dá para resumir em poucas palavras: encontrar a felicidade é bem mais fácil do que você imaginava, não é mesmo?

(Revista Atrevida. Número 161.janeiro/2008.pág.32.Fragmento adaptado.)

Esse texto foi escrito para


a) idosos

b) pais.

c) garotas.

d) namorados


(HABILIDADE – Reconhecer o conflito gerador do enredo.)


7) Leia o texto abaixo.

O Fazendeiro, seu Filho e o Burro

Um fazendeiro e seu filho viajavam para o mercado, levando consigo um burro. Na estrada, encontraram umas moças que riram e zombaram deles:

– Já viram que bobos? Andando a pé, quando deviam montar no burro?

O fazendeiro, então, ordenou ao filho:

– Monte no burro, pois não devemos parecer ridículos.

O filho assim o fez. Daí a pouco, passaram por uma aldeia (...) e uns velhos que comentaram:

– Ali vai um exemplo da geração moderna: o rapaz, muito bem refestelado no animal, enquanto o velho pai caminha, com suas pernas fatigadas.

– Talvez eles tenham razão, meu fi lho, disse o pai. Ficaria melhor se eu montasse e você fosse a pé.

Trocaram então as posições.

Alguns quilômetros adiante, encontraram camponesas, as quais disseram:

– A crueldade de alguns pais para com os filhos é tremenda! Aquele preguiçoso, muito bem instalado no burro, enquanto o pobre fi lho gasta as pernas.

– Suba na garupa, meu filho. Não quero parecer cruel, pediu o pai.

Assim, ambos montados no burro, entraram no mercado da cidade.

– Oh!! Gritaram outros fazendeiros que se encontravam lá. Pobre burro, maltratado, carregando uma dupla carga! Não se trata um animal desta maneira. (...) Deviam carregar o burro às costas, em vez de este carregá-los.

O fazendeiro e o filho saltaram do animal e carregaram-no. Quando atravessavam uma ponte, o burro, que não estava se sentindo confortável, começou a escoicear com tanta energia que os dois caíram na água.

Fábulas de Esopo. www.clubedobebe.com.br

O problema que dá origem à essa história é



a) o fazendeiro e seu filho queriam agradar a todas as pessoas e não conseguiam

b) o fazendeiro e seu filho precisavam chegar rapidamente ao Mercado da Cidade.

c) o burro estava sendo muito maltratado.

d) o burro estava muito cansado de caminhar.

(HABILIDADE – Inferir o sentido de uma palavra ou expressão a partir do contexto.)

8- Leia o texto abaixo.


MORADA DO INVENTOR

A professora pedia e a gente levava, achando loucura ou monte de lixo:

latas vazias de bebidas, caixas de fósforo,

pedaços de papel de embrulho, fi tas,

brinquedos quebrados, xícaras sem asa,

recortes e bichos, pessoas, luas e estrelas,

revistas e jornais lidos, retalhos de tecido,

rendas, linhas, penas de aves, cascas de ovo,

pedaços de madeira, de ferro ou de plástico.

Um dia, a professora deu a partida,

e transformamos, colamos e colorimos.

E surgiram bonecos (...),

bichos (..) e coisas malucas (...)

E a escola virou morada do inventor.

Elias José. Nova Escola, junho 2000, n. 133.

No trecho “Um dia, a professora deu a partida, e transformamos, colamos e colorimos.”, a expressão em destaque significa

a) saiu do local.

b) ligou o carro

c) iniciou a atividade.

d) quebrou um objeto

 

(HABILIDADE – Localizar informações explícitas em um texto.)


9- Leia o texto abaixo.


O PULO

A Onça encontrou com o Gato e pediu:

– Amigo Gato, você me ensina a pular?

O Gato ficou muito desconfiado, mas concordou.

Nas últimas aulas, a Onça pulava com rapidez e agilidade – parecia um Gato gigante.

– Você é um professor maravilhoso, amigo Gato! – dizia a Onça, agradando.

Uma tarde, depois da aula, foram beber água no riacho. E a Onça fez uma aposta:

– Vamos ver quem pula naquela pedra?

–Vamos lá!

– Então, você pula primeiro – ordenou a Onça.

O Gato – zuuum – pulou em cima da pedra. E a Onça – procotó – deu um pulo traiçoeiro em cima do Gato.

Mas o Gato pulou de lado e escapuliu tão rápido como a ventania.

A Onça ficou vermelha de raiva:

– É assim? Esta parte você não ensinou pra mim!

E o Gato respondeu cantando:

– O pulo de lado é o segredo do Gato!


MARQUES, Francisco. O pulo. In: A fl oresta da Brejaúva. Belo Horizonte: Dimensão, 1995.


Para escapar da onça, o gato



a) nadou na água do riacho

b) pulou de lado na pedra

c) cantou para a onça dormir

d) entrou no buraco da árvore



(HABILIDADE – Identificar o propósito comunicativo dos diversos gêneros discursivos.)


10- Leia o texto abaixo.


LIÇÕES EM CASA


Você já notou que muitos bichos preferem ficar em turma? Vivendo em grupo, os mais velhos protegem os mais novos. E os filhotes aprendem a encarar a vida na mata observando os adultos.

Com os humanos acontece a mesma coisa. Rodeado pelos familiares, nos sentimos protegidos. Deles recebemos carinho, cuidados e aprendemos uma porção de coisas.

In: Revista Recreio. Garota Atômica. Ano 05-10/03/05- n° 261


O texto tem a finalidade de


a) fazer um convite.

b) informar sobre alguns hábitos.

c) ensinar uma brincadeira.

d) divertir o leitor.



 

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]

O que é isto?
Visitante número: