plano

PLANO DE AULA 07/02/2012

 

O que o aluno poderá aprender?

1º B – arte – Descobrir que mesmo numa época em que há muita tecnologia, a literatura é a arte da palavra que transforma. (Pág. 10 à 15.)

2º B – LP- Compreender que substantivos são palavras que designam seres. (pág. 22 e 23)

1º A – LP – Compreender que em todos os lugares que estamos, circulamos entre textos. (pág. 28 à 31)

 

Duração da atividades

1ª aula – 1º B

2ª e 3ª aula – 2º B

4ª e 5ª aula – 1º A

 

Conhecimentos prévios trabalhados

O que é literatura?

Dê seu próprio conceito sobre arte.

Introdução sobre substantivos.

Conhecendo o mundo dos textos.

 

Estratégias e recursos da aula.

Mensagem ( Motivação para o seu dia).

Apresentação dos alunos.

Conversa sobre as regras da escola.

Explicação do conteúdo, com aplicação de atividade e correção.

 

 

PLANO DE AULA 09/02/2012

 

O que o aluno poderá aprender?

1º B – LP – Identificar os diferentes textos que circulam em nosso meio. (pág.28 à 31)

1º A – Arte – Descobrir que a literatura é a arte da palavra que transforma. (pág. 10 à 15)

1º A – LP – Compreender que a linguagem verbal e não verbal é um processo comunicativo pelo qual as pessoas interagem entre si. (pág. 35 à 37)

 

Duração das atividades

1ª e 2ª aula – 1º B

3ª aula – 1º A

4ª e 5ª aula – 1º A

 

Conhecimentos prévios trabalhados

Pedir que os alunos citem exemplos de diferentes textos.

Pedir que escrevam o que é literatura.

Dar exemplos de linguagem verbal e não verbal.

 

Estratégias e recursos da aula

Mensagem

Correção da produção de texto.

Leitura com todos os alunos.

Explicação das atividades, com atividades e correção.

PLANO DE AULA 10/02/2012

 

O que o aluno poderá aprender?

2º B – LP- Reconhecer o estudo sobre substantivos e suas flexões. (pág. 20 à 24)

2° B – FC – Apresentar para os alunos o projeto “Diretor de turma”.

1º B – LP – Identificar a linguagem verbal e não verbal nos diferentes textos. (pág. 35 à 37)

 

Duração das atividades

1ª e 2ª aula – 2º B

3ª aula – 2º B

4ª e 5ª aula – 1º B

 

Conhecimentos prévios trabalhados

O que significa flexão?

O que esperam do projeto “Diretor de turma” este ano?

O que entendem por linguagem verbal e não verbal?

 

Estratégias e recursos da aula

Mensagem

Correção da atividade de casa.

Produção de texto utilizando a linguagem verbal e não verbal.

Explicação do conteúdo, com atividade e correção.

 

 
 

Avaliação



            AVALIAÇÃO GLOBAL
        E.E.M FRANCISCO HOLANDA MONTENEGRO
        DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA
        PROFª: MONSSUETE ARAÚJO
        DATA: 12/12/2011
        NOME:
   
    1- "Anoitecia silenciosamente." Nesta oração temos:
    a) Sujeito simples
     b) Oração sem sujeito.
    c) Sujeito indeterminado.
    d) Sujeito oculto.
   
    2. "O homem, a fera e o inseto, à sombra delas, vivem livres de fome e fadigas." Nesta oração o sujeito é:
    a) Sujeito indeterminado.
    b) Oração sem sujeito.
    c) Sujeito oculto.
    d) Sujeito composto.

    3. "Durante meses o azul do céu virou um picadeiro de luta." Qual é o predicado e qual o seu tipo?
    a) Virou um picadeiro de luta / nominal.
    b) Picadeiro de luta / nominal.
    c) Virou um picadeiro / verbal.
    d) Virou um picadeiro de luta / verbo-nominal.

    4. "O crepúsculo vai ficando cada vez mais pálido." Qual o núcleo do predicado e qual o seu tipo?
     a) Pálido / verbal.
    b) Cada vez mais pálido / verbo-nominal
     c) Cada vez mais / nominal.
    d) Cada vez mais pálido / nominal.

    5. A oração sem sujeito caracteriza-se por:
    a) O sujeito está indeterminado.
    b)O predicado é formado por um verbo impessoal.
    c) O sujeito está simplesmente oculto.
    d) O fato é atribuído a um ser determinado.
   
    6. Defina o tipo de sujeito desta oração: "Fazia um calor infernal no sertão."
    a) Sujeito indeterminado
    b) Oração sem sujeito.
     c) Sujeito simples
    d) Sujeito oculto.

 
 

avaliação


     7. Defina o tipo de sujeito desta oração: "Faz dez anos que cheguei aqui."
    a) Sujeito oculto.
    b) Sujeito simples.
    c) Sujeito indeterminado.
    d) Oração sem sujeito.

    8- (Enem)
    Gerente - Boa tarde. Em que eu posso ajudá-lo?
    Cliente - Estou interessado em financiamento para compra de veículo.
    Gerente - Nós dispomos de várias modalidades de crédito. O senhor é nosso cliente?
    Cliente - Sou Júlio César Fontoura, também sou funcionário do banco.
    Gerente - Julinho, é você, cara? Aqui é a Helena! Cê tá em Brasília? Pensei que você inda tivesse na agência de Uberlândia! Passa aqui pra gente conversar com calma!
                        BORTONI-RICARDO,S.M.Educação em língua materna.
                        São Paulo: Parábola,2004. (adaptado)

    Na representação escrita da conversa telefônica entre a gerente do banco e o cliente, observa-se que a maneira de falar da gerente foi alterada de repente devido:
    a) à adequação de sua fala à conversa com um amigo, caracterizada pela informalidade.
    b) ao fato de ambos terem nascido em Uberlândia (Minas Gerais).
    c) à intimidade forçada pelo cliente ao fornecer seu nome completo.
    d) ao seu interesse profissional em financiar o veículo de Júlio.

    9- Leia.
                Influenza A (gripe suína)
    Se você esteve ou manteve contato com pessoas da área de risco e apresenta os seguintes sintomas:
    * Febre alta repentina e superior a 38 graus.
    * Tosse.
    * Dor de cabeça.
    * Dores musculares e nas articulações.
    * Dificuldade respiratória.
    Entre em contato imediatamente com o Disque Epidemiologia: 0800-282-2255.
    Evite a contaminação
    * Quando tossir ou espirrar, cubra sua boca e nariz com lenço descartável. Caso não o tenha, utilize o antebraço. Se utilizar as mãos, lave-as rapidamente com água e sabão.
    * O uso de máscaras é indicado para prevenir contaminações.

            BRASIL. Ministério da Saúde, 2009. (Adaptado)

    (Enem) O texto tem o objetivo de solucionar um problema social,
    a) descrevendo a situação do país em relação à gripe suína.
    b) alertando a população para o risco de morte pela Influenza A.
    c) orientando a população sobre os sintomas da gripe suína e procedimentos para evitar a contaminação.
    d) convocando toda a população para se submeter a exames de detecção da gripe suína.

    10- (Enem) Os principais recursos utilizados para envolvimento e adesão do leitor à campanha institucional incluem:
    a) o fornecimento de número de telefone gratuito para contato.
    b) o emprego de pronomes como "você" e "sua" e o uso do imperativo.
    c) a construção de figuras metafóricas e o uso de repetição.
    d) o emprego de enumeração de itens.

                        BOA SORTE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
                FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO!!!!!!!!


 

 
 

plano

PLANO DE AULA 30/11/2011

 

FORMAÇÃO CIDADÃ

 

OBJETIVO

Compreender que a solidariedade deve fazer parte de nossas ações para com o próximo no cotidiano.

 

CONTEÚDO

Solidariedade

 

TEMPO

1H/A 1º ANO B

 

MATERIAIS

Caderno e lápis

 

METODOLOGIA

Conversa e produção textual.

 

AVALIAÇÃO

Participação.

 

 

PLANO DE AULA 01/12/2011

 

PORTUGUÊS E ARTE

 

OBJETIVOS

LP- Conhecer os constituintes básicos da oração.

AE- Conhecer como aconteceu a Era Clássica.

 

CONTEÚDOS

LP- Sujeito e predicado

AE- A Era Clássica

 

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B 1H/A 1º ANO A

 

MATERIAIS

UCA

 

METODOLOGIA

Explicação do conteúdo e atividade no blog.

 

AVALIAÇÃO

Observação do desempenho.

 

 

PLANO DE AULA 05/12/2011

 

PORTUGUÊS E ARTE

 

OBJETIVOS

LP- Conhecer os tipos de predicados e suas funções nas frases.

AE- Trabalhar os estilos que fizeram parte da Era Clássica.

 

CONTEÚDOS

LP- Tipos de predicados.

AE- A Era Clássica.

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B 1H/A 1º ANO B

 

MATERIAIS

Livro didático, UCA e primeiro aprender.

 

METODOLOGIA

Explicação, leitura e resolução da atividade.

 

AVALIAÇÃO

Observação do desempenho.

 

 

PLANO DE AULA 07/12/2011

 

FORMAÇÃO CIDADÃ

 

OBJETIVO

Trabalhar o significado de cada símbolo do Natal.

 

CONTEÚDO

Natal

 

TEMPO

1H/A 1º ANO B

 

MATERIAIS

UCA

 

METODOLOGIA

Explicação de cada símbolo e mensagem sobre o natal.

 

AVALIAÇÃO

Participação.

 

 

PLANO DE AULA 08/12/2011

 

PORTUGUÊS E ARTE

 

OBJETIVOS

LP- Fazer uma revisão geral sobre nova ortografia, sujeito e predicado.

AE- Reforçar o estudo sobre a Era Clássica.

 

CONTEÚDOS

LP- Sujeito e predicado.

AE- Era Clássica.

 

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B 1H/A 1º ANO A

 

MATERIAIS

Livro didático e gramática.

 

METODOLOGIA

Pedir que tragam o livro didático para fazer uma esplanação sobre o assunto.

 

AVALIAÇÃO

Participação

 

 
 

plano

                PLANO DE  AULA             21/11/2011

PORTUGUÊS  E  ARTE

OBJETIVOS

LP-  Perceber que a crônica  é  um  gênero  textual  que  vincula-se  a  alguma  problemática  do  cotidiano.

AE-  Reconhecer  o  estudo  da  segunda  época  medieval.

CONTEÚDOS

LP-  Crônica

AE-  Humanismo

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B                         1H/A 1º ANO B

MATERIAIS

Livro primeiro aprender

METODOLOGIA

Aplicação do trabalho do 1º ano B de arte,  leitura de crônica para resolver a atividade.

AVALIAÇÃO

Observação do desempenho.

 

                                               PLANO DE AULA              23/11/2011

FORMAÇÃO CIDADÃ

OBJETIVO

Retomar o estudo sobre o dia da “ Consciência  Negra”.

CONTEÚDO

Dia da Consciência Negra.

TEMPO

1H/A 1º ANO B

MATERIAIS

UCA

METODOLOGIA

Conversa sobre a importância que todos se conscientizem e respeite o próximo.

AVALIAÇÃO

Participação

 

                                               PLANO DE AULA              24/11/2011

PORTUGUÊS E ARTE

OBJETIVOS

LP- Estudar a linguagem poética em texto.

AE- Conhecer a história do cinema.   (aula 17)

CONTEÚDOS

LP- Poema e notícia  p. 45

AE- história do cinema    p.  174

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B                         1H/A  1º A

MATERIAIS

Livro primeiro aprender.

METODOLOGIA

Leitura  do texto, explicação e resolução da atividade.

AVALIAÇÃO

Participação.

 

                                               PLANO DE AULA              28/11/2011

PORTUGUÊS E ARTE

OBJETIVOS

LP- Ler a resenha do filme “Última parada 174” e responder as questões.

AE- Conhecer o que existe por trás das câmeras em um cinema.

CONTEÚDOS

LP- Resenha do filme  p.  55

AE- Cineclube  p.  181

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B         1H/A 1º ANO   B

MATERIAIS

Livro primeiro aprender.

METODOLOGIA

Leitura dos textos e resolução da atividade.

AVALIAÇÃO

Participação.

 
 

avaliação

 


AVALIAÇÃO PARCIAL - NOVEMBRO

E.E.M FRANCISCO HOLANDA MONTENEGRO

DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA

PROFª: MONSSUETE ARAÚJO

DATA: 17/11/2011

SÉRIE: 1º ANO

NOME:__________________________________________


1- Leia o texto.


O mercúrio onipresente


(fragmento)


Os venenos ambientais nunca seguem regras. Quando o mundo pensa ter descoberto tudo o que é preciso para controlá-los, eles voltam a atacar. Quando removemos o chumbo da gasolina, ele ressurge nos encanamentos envelhecidos. Quando toxinas e resíduos são enterrados em aterros sanitários, contaminam o lençol freático. Mas ao menos acreditávamos conhecer bem o mercúrio. Apesar de todo o seu poder tóxico, desde que evitássemos determinadas espécies de peixes nas quais o nível de contaminação é particularmente elevado, estaríamos bem. [...].

Mas o mercúrio é famoso pela capacidade de passar despercebido. Uma série de estudos recentes sugere que o metal potencialmente mortífero está em toda parte - e é mais perigoso do que a maioria das pessoa acredita.

Jeffrey Kluger. IstoÉ. nº1927, 27/06/2006,p.114-115.


A tese defendida no texto está expressa no trecho

(A) as substâncias tóxicas, em aterros, contaminam o lençol freático.

(B) o chumbo da gasolina ressurge com a ação do tempo.

( C) o mercúrio apresenta alto teor de periculosidade para a natureza.

(D) o total controle dos venenos ambientais é impossível.


2- Leia o texto.


O Homem que entrou pelo cano


Abriu a torneira e entrou pelo cano. A princípio incomodava-o a estreiteza do tubo. Depois se acostumou. E, com a água, foi seguindo. Andou quilômetros. Aqui e ali ouvia barulhos familiares. Vez ou outra um desvio, era uma seção que terminava em torneira.

Vários dias foi rodando, até que tudo se tornou monótono. O cano por dentro não era interessante.

No primeiro desvio, entrou. Vozes de mulher. Uma criança brincava. Então percebeu que as engrenagens giravam e caiu numa pia. À sua volta era um branco imenso, uma água límpida. E a cara da menina aparecia redonda e grande, a olhá-o interessada. Ela gritou: "Mamãe, tem um homem dentro da pia".

Não obteve resposta. Esperou, tudo quieto. A menina se cansou, abriu o tampão e ele desceu pelo esgoto.

BRANDÂO, Ignácio Loyola. Cadeiras Proibidas. São Paulo:Global,1988,p.89.


O conto cria uma expectativa no leitor pela situação incomum criada pelo enredo. O resultado não foi o esperado porque

(A) a menina agiu como se fosse um fato normal.

(B) o homem demonstrou pouco interesse em sair do cano.

( C) as engrenagens da tubulação não funcionaram.

(D) a mãe não manifestou nenhum interesse pelo fato.


3- Na frase "Mamãe, tem um homem dentro da pia." o verbo empregado representa, no contexto, uma marca de


(A) registro oral formal.

(B) registro oral informal.

(C ) falar regional.

(D) falar caipira.


4- (Esaf) Aponte a opção cuja sequência preenche corretamente as lacunas deste período:

"Muito __________, disse ela. Vocês procederam ______________, considerando meu ponto de vista e minha argumentação ______________.


(A) obrigado, certos, sensata.

(B) obrigada, certo, sensatos.

(C ) obrigada, certos, sensata.

(D) obrigado, certo, sensatos.


5- Marque V ou F de acordo com regras de concordância verbal.

 

( ) Sujeito representado por nome próprio no plural e com artigo no plural, o verbo vai para o plural. "Os Estados Unidos enviaram tropas à zona de conflito."

( ) O verbo fica plural quando a conjunção ou indica exclusão." João ou Pedro serão nosso próximo síndico".

( ) Sujeito composto, se anteposto ao verbo, este vai para o singular. "O técnico e os jogadores retorna ao Brasil."

( ) A expressão haja vista deve permanecer invariável e corresponde à 3ª pessoa do imperativo do verbo ver.

 
 

AVALIAÇÂO

6- Leia o texto.

O que dizem as camisetas

(fragmento)


Apareceram tantas camisetas com inscrições, que a gente estranha ao deparar com uma que não tem nada escrito.

- Que é que ele está anunciando? - indagou o cabo eleitoral, apreensivo. - Será que faz propaganda do voto em branco? Devia ser proibido!

- O cidadão é livre de usar a camiseta que quiser - ponderou um senhor moderado.

- Em tempo de eleição, nunca - retrucou o outro. - Ou o cidadão manifesta sua preferência política ou é um sabotador do processo de abertura democrática.

- O voto é secreto.

- É secreto, mas a camiseta não é, muito pelo contrário. Ainda há gente neste país que não assume a sua responsabilidade cívica, se esconde feito avestruz e...

-Ah, pelo que vejo o amigo não aprova as pessoas que gostam de usar uma camiseta limpinha, sem inscrição, na cor natural em que saiu de fábrica.

DRUMMOND, Carlos. Moça deitada na grama. Rio de Janeiro: Record,1987,p.38-40.


O conflito em torno do qual se desenvolveu a narrativa foi o fato de

(A) alguém aparecer com uma camiseta sem nenhuma inscrição.

(B) muitas pessoas não assumirem sua responsabilidade cívica.

(C ) um senhor comentar que o cidadão goza de total liberdade.

(D) alguém comentar que a camiseta, ao contrário do voto, não é secreta.


7- Leia.


Belo Horizonte, 28 de julho de 1942.


Meu caro Mário,

Estou te escrevendo rapidamente, se bem que haja muitíssima

coisa que eu quero te falar (a respeito da Conferência, que aca-

bei de ler agora). Vem-me uma vontade imensa de desabafar

com você tudo o que ela me fez sentir. Mas é longo, não tenho

o direito de tomar seu tempo e te chatear.

Fernando Sabino.


Nesse trecho de uma carta de Fernando Sabino a Mário de Andrade, o emprego de linguagem informal é bem evidente em

(A) "se bem que haja".

(B) "que acabei de ler agora".

(C ) "tomar seu tempo e te chatear".

(D) "tudo o que ela me fez sentir".


Leia e responda as questões 8 e 9.

 

O peso original volta depois das dietas


01 O corpo humano, mesmo submetido

02 ao sacrifício de uma dieta alimentar

03 rígida, tem tendência a voltar ao peso

04 inicial determinado por um equilíbrio

05 interno, segundo recente estudo reali-

06 zado por cientistas norte-americanos.

07 Depois do aumento de alguns quilos

08 supérfluos, o metabolismo buscará

09 eliminar o peso excessivo.

10 O corpo dispõe de um equilíbrio que

11 tenta manter seu peso em um nível

12 constante, que varia em função de

13 cada indivíduo. O estudo sugere que

14 conservar o peso do corpo é um fenô-

15 meno biológico, não apenas uma ati-

16 vidade voluntária. O corpo ajusta seu

17 metabolismo em resposta a aumentos

18 ou perdas de peso. Dessa forma,

19 depois de cada dieta restrita, o metabo-

20 lismo queimará menos calorias do que

21 antes. Uma pessoa que perdeu recente-

22 mente pouco peso vai consumir menos

23 calorias que uma pessoa do mesmo

24 peso que sempre foi magra. A pesquisa

25 conclui que emagrecer não é impossí-

26 vel, mas muito difícil e requer o consu-

27 mo do número exato de calorias quei-

28 madas. Ou seja, uma alimentação mo-

29 derada e uma atividade física estável a

30 longo prazo.

(Zero Hora, encarte VIDA, 06/05/1995)


8- Segundo o texto, é correto afirmar:

A) Uma dieta alimentar rígida determina o equilíbrio interno do peso corpóreo.

B) O equilíbrio interno é um fenômeno biológico.

C) Conservar o peso não depende somente da vontade individual.

D) O ajuste de peso significa queima de calorias.


9- Das opções abaixo, todas podem substituir, sem prejuízo ao texto, a palavra rígida (l. 03), menos

A) rigorosa

B) austera

C) severa

D) íntegra


10- Leia o texto.


Em 1952, inspirado nas descrições do viajante Hans Staden, o alemão De Bry desenhou as cerimônias de canibalismo de índios brasileiros. São documentos de alto valor histórico (...)

Porém não podem ser vistos como retratos exatos: o artista, sob influência do Renascimento, mitigou a violência antropofágica com imagens idealizadas de índios, que ganharam traços e corpos esbeltos de europeus. As índias ficaram rechonchudas como as divas sensuais do pintor holandês Rubens.

No século XX, o pintor brasileiro Portinari trabalhou o mesmo tema. Utilizando formas densas, rudes e nada idealizadas, Portinari evitou o ângulo do colonizador e procurou não fazer julgamentos. A Antropologia persegue a mesma coisa: investigar, descrever e interpretar as culturas em toda a sua diversidade desconcertante.

Assim, ela é capaz de revelar que o canibalismo é uma experiência simbólica e transcendental - jamais alimentar.

Até os anos 50, waris e kaxinawás comiam pedaços dos corpos dos seus mortos. Ainda hoje, os ianomâmis misturam as cinzas dos amigos no purê de banana. Ao observar esses rituais, a Antropologia aprendeu que, na antropogafia que chegou ao século XX, o que há é um ato amoroso e religioso, destinado a ajudar a alma do morto a alcançar o céu. A SUPER, ao contar toda a história a você, pretende superar os olhares preconceituosos, ampliar o conhecimento que os brasileiros têm do Brasil e estimular o respeito às culturas indígenas. Você vai ver que o canibalismo, para os índios, é tão digno quanto a eucaristia para os católicos. É sagrado.


(adaptado de: Superinteressante, agosto, 1997, p.4)

Considere as seguintes informações sobre o texto:

I - Segundo o próprio autor do texto, a revista tem como único objetivo tornar o leitor mais informado acerca da história dos índios brasileiros.

II - Este texto introduz um artigo jornalístico sobre o canibalismo entre índios brasileiros.

III - Um dos principais assuntos do texto é a história da arte no Brasil.


Quais são corretas?

a) Apenas I

b) Apenas II

c) Apenas III

d) Apenas I e III



BOA SORTE!!!!!!!!!!!!!

 
 

trabalho

 

TRABALHO DE ARTE

E.E.M FRANCISCO HOLANDA MONTENEGRO

PROFª: MONSSUETE ARAÚJO

SÉRIE/ANO: 1º ANO A e B

NOME:___________________________________

 

1- Fazer uma pesquisa na internet ou livros e entregar em forma de texto sobre os seguintes pontos.

 

* O humanismo em Portugal.

 

* Fernão Lopes: o melhor português da Idade Média.

 

* O Cancioneiro Geral.

 

* O teatro de Gil Vicente.

 

* O auto de Gil Vicente a João Cabral.

 

 

 

Obs: A pesquisa deve ser bem feita, procurem aprofundar o máximo no conhecimento sobre os pontos abordados. A nota do trabalho vai depender da organização e do aprofundamento da pesquisa.

 
 

plano

 

PLANO DE AULA 16/11/2011

 

FORMAÇÃO CIDADÃ

 

OBJETIVO

Compreender o motivo do qual foi criado o dia da Consciência Negra.

 

CONTEÚDO

Consciência Negra (20 de novembro)

 

TEMPO

1H/A 1º ANO B

 

MATERIAIS

caderno e lápis.

 

METODOLOGIA

Conversa sobre esse dia conhecido nacionalmente, pesquisa.

 

AVALIAÇÃO

Participação.

 

 

PLANO DE AULA 17/11/2011

 

PORTUGUÊS E ARTE

 

OBJETIVOS

LP- Reconhecer questões de concordância e interpretação de textos em avaliação.

AE- Pesquisar sobre a segunda época medieval.

 

CONTEÚDOS

LP- Avaliação escrita.

AE- Segunda época medieval.

 

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B 1H/A 1º ANO A

 

MATERIAIS

UCA.

 

METODOLOGIA

Aplicação da avaliação através do blog (ma.jaco.zip.net).

 

AVALIAÇÃO

Escrita e contínua.

 
 

plano


            PLANO DE AULA    07/11/2011
    PORTUGUÊS E ARTE

    OBJETIVOS
    LP- Reconhecer o estudo de alguns descritores em interpretação de textos.
    AE- Reconhecer os estilos musicais em meio de textos.

    CONTEÚDOS
    LP- Interpretação de texto.
    AE- Estilos musicais

    TEMPO
    2H/A 1º ANO A e B    1H/A 1º ANO B

    MATERIAIS
    UCA e primeiro aprender.

    METODOLOGIA
    Atividade com textos envolvendo as habilidades.
    Leitura e resolução da atividade.

    AVALIAÇÃO
    Desempenho.


            PLANO DE AULA    09/11/2011
    FORMAÇÃO CIDADÃ

    OBJETIVO
    Compreender que o patrimônio público é de todos e que devemos preservar.

    CONTEÚDO
    Patrimônio público.

    TEMPO
    1/HA 1º ANO B

    MATERIAIS
    UCA

    METODOLOGIA
    Conscientização sobre a preservação do patrimônio que é de todos.

    AVALIAÇÃO
    Participação.


        PLANO DE AULA    10/11/2011
    PORTUGUÊS E ARTE

    OBJETIVOS
    LP- Ler e interpretar diferentes tipos de textos.
    AE- Ler e reconhecer os estilos musicais.

    CONTEÚDOS
    LP- Interpretação de textos.
    AE- Apresentação dos trabalhos.

    TEMPO
    2H/A 1º ANO A eB    1H/A 1º ANO A

    MATERIAIS
    UCA e primeiro aprender.

    METODOLOGIA
    Leitura e explicação das habilidades.
    Resolução da atividade.

    AVALIAÇÃO
    Participação   

 
 

atividade


            ATIVIDADE
    1-Leia o texto abaixo e responda à questão:
                      Receitas da Vovó
    Lembra aquela receita que só sua mãe ou sua avó sabem
 fazer?Pois saiba que, além de gostoso, esse prato é parte
 importante da cultura brasileira. É verdade. Os cadernos de
 receita são registros culturais. Primeiro, porque resgatam
 antigas tradições, seja familiares ou étnicas. Além disso,
 mostram como se fala ou se falava em determinada região. E
 ainda servem como passagens do tempo, chaves para
 alcançarmos memórias emocionais que a gente nem sabia
 que tinha (se você se lembrou do prato que sua avó ou sua
 mãe fazia, você sabe do que eu estou falando.)
                            http://vidasimples.abril.com.br/

A tese defendida pelo autor do texto é
receitas culinárias:
A) Fazem com que lembremos a nossa infância.
B) Indicam o modo de falar em determinada região.
C) Resgatam nossas tradições familiares ou étnicas.
D) São as que só nossas mães ou avós conhecem.
E) São parte importante da cultura brasileira.


     2- Leia o texto abaixo.

      Qual a diferença entre a onça, o tigre e o leopardo?

      Marcelo Garcia, 8 anos
      Sorocaba – SP

      Os três são felinos, carnívoros e ótimos caçadores. Eles possuem presas grandes e garras que se escondem embaixo da pele. Mas são espécies diferentes. A onça vive nas Américas, tem pêlo cheio de manchas com uma pinta preta no meio. Já o leopardo vive na Ásia e na África e também tem manchas, mas sem a pinta preta no meio. O tigre habita na Ásia e não tem manchas, mas listras. O curioso é que o desenho das manchas ou listras é diferente de um animal para outro, como nossas impressões digitais. Assim, não existem dois tigres, onças ou leopardos iguais.

      Revista Recreio, nº252, 2005

      Esse texto trata
         1.  das diferenças e semelhanças entre o tigre, a onça e o leopardo
         2.   dos hábitos dos felinos.
         3.   dos hábitos dos carnívoros.
         4.   das diferenças e semelhanças entre as moradias dos animais.

      (HABILIDADE – Inferir uma informação implícita.)

      Leia o texto abaixo.

      Urso é condenado por roubo de mel na Macedônia

      O sabor de mel foi tentador demais para um urso na Macedônia, que atacou várias vezes as colméias de um apicultor.
      Agora, o animal tem ficha na polícia. Foi condenado por um tribunal por roubo e danos.
      O caso foi levado à Justiça pelo apicultor irritado depois de um ano de tentar, em vão, proteger suas colméias.
      Durante um período, ele conseguiu afugentar o animal com medidas como comprar um gerador e iluminar melhor a área onde os ataques aconteciam ou tocar músicas folclóricas sérvias. Mas quando o gerador ficava sem energia e a música acabava, o urso voltava e lá se ia o mel novamente.
      “Ele atacou as colméias de novo”, disse o apicultor Zoran Kiseloski.
      Como o animal não tinha dono e é uma espécie protegida, o tribunal ordenou ao Estado pagar uma indenização por prejuízos causados pela destruição de colméias, no valor de US$ 3,5 mil.
      O urso continua à solta em algum lugar da Macedônia.

      O que é um apicultor?

         1.     Homem irritado
         2.     Criador de abelhas
         3.    Morador de Macedônia
         4.      Caçador de urso
.    Leia
      (HABILIDADE – Reconhecer os elementos de uma narrativa.)

    4- Leia o texto abaixo.

      Conto de todas as cores

      Eu já escrevi um conto azul, vários até. Mas este é um conto de todas as cores. Porque era uma vez um menino azul, uma menina verde, um negrinho dourado e um cachorro com todos os tons e entretons do arco-íris.
      Até que apareceu uma Comissão de Doutores – os quais, por mais que esfregassem os nossos quatro amigos, viram que não adiantava. E perguntaram se aquilo era de nascença ou se...
      — Mas nós não nascemos – interrompeu o cachorro. – Nós fomos inventados!

      QUINTANA, Mário. A vaca e o hipogrifo. 3 ed. Porto Alegre, L&P, 1979.

      Nesse texto, o narrador é um
         1.  menino
         2.   escritor
         3.  doutor
4.  cachorro

   
      (HABILIDADE – Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato.)

      5-Leia o texto abaixo.

      ENTENDA MELHOR ESSE FENÔMENO


      Primeiro o céu fica bem escuro e começa a chover. Aí vem um clarão bem forte, seguido de um barulho enorme. E a gente toma o maior susto! O nome desse fenômeno, poderoso e às vezes assustador, é raio. O raio nasce em nuvens grandes e escuras, que têm a parte de baixo lisa. Elas são conhecidas como cúmulos-nimbos e ficam bem altas, entre 2 e 18 quilômetros do chão. Quando estão cheias de gotículas de água e pequenos pedaços de gelo, caem grandes tempestades. Com o vento as pedrinhas de gelo batem umas nas outras. Essa agitação cria partículas de eletricidade na nuvem.
      Se uma nuvem com muitas partículas elétricas negativas encontra outra com muitas partículas positivas, elas trocam essas partículas, formando uma corrente elétrica poderosa. Também pode acontecer de se formar uma corrente elétrica entre uma nuvem e o solo. Nos dois casos, o resultado final é o raio.

      (MOIÓLI, Júlia. Revista Recreio n.411. Janeiro/2008)

      A opinião da autora desse texto, a respeito dos raios, é que eles


         1.   são fenômenos poderosos e assustadores
         2.   são formados por corrente elétrica
         3.   surgem em um clarão seguido de um barulho
         4.    nascem em grandes nuvens escuras
 
      (HABILIDADE – Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na comparação de textos que tratam do mesmo tema, em função das condições em que o texto foi produzido e daquelas em que será recebido.)

 
 

atividade

6- Leia os textos abaixo.

      CELULAR NA ESCOLA

      Permitir ou não o uso desses aparelhos nas dependências do colégio é uma discussão bastante atual. Conheça algumas opiniões

      Quando os primeiros celulares chegaram ao mercado brasileiro, na década de 90, eles eram sonho de consumo para muita gente. Quase vinte anos depois, estão tão popularizados que até crianças vivem a carregar modelos ultramodernos, inclusive na escola, onde esses aparelhos já fazem parte do cotidiano dos alunos. “O celular se justifica pela necessidade dos pais monitorarem seus filhos, mas chegou-se a um exagero de uso”, opina Daniel Lobato Brito, diretor administrativo do Colégio Pio XII, em São Paulo.

      Revista Ensino fundamental, ano 4, nº 46, dezembro 2007, seção Comportamento, p.6,.


      FÓRUM DA COMUNIDADE “PODE CELULAR NA SALA-DE-AULA?”

      Ravi

      Celular na sala de aula atrapalha muito, até porque não é simplesmente o toque do celular, mas tem gente que ATENDE o celular se escondendo do professor (ou tentando...) e fica falando, ou então, quando o dono do celular não fala nada, a turma, ou alguns colegas de classe ficam soltando piadas, enchendo o saco, zoando, etc... atrapalhando a galera e a concentração do professor que pode perder o raciocínio ou ainda expulsar os alunos de sala. E concluindo: o celular, em sala de aula, deve ser banido, e tratado com severidade os que descumprirem as regras.
      http://www.orkut.com (adaptado)

      Com relação aos dois textos podemos afirmar que
         1.  destinam-se ao mesmo público.
         2.  utilizam a mesma linguagem
         3.  tratam do mesmo assunto
         4.   circulam no mesmo lugar
 
      (HABILIDADE – Identificar o tema de um texto.)

     7- Leia o texto abaixo.

      O Galo e a Pedra Preciosa

      Esopo

      Um Galo, que procurava no terreiro, alimento para ele e suas galinhas, acaba por encontrar uma pedra preciosa de grande beleza e valor. Mas, depois de observá-la por um instante, comenta desolado:
      — Se ao invés de mim, teu dono tivesse te encontrado, ele decerto não iria se conter diante de tamanha alegria, e é quase certo que iria te colocar em lugar digno de adoração. No entanto, eu te achei e de nada me serves. Antes disso, preferia ter encontrado um simples grão de milho, a que todas as jóias do Mundo!

      Moral da História:
      A necessidade de cada um é o que determina o real valor das coisas.
      www.sitededicas.com.br

      O tema desse texto é
         1.   o encontro do galo com a pedra.
         2.   o alimento preferido de galos e galinhas
         3.  a beleza e o valor da pedra preciosa
4. a relação entre valor e necessidade

(HABILIDADE – Identificar marcas de coloquialidade que evidenciam o locutor e o interlocutor, as quais são indicadas por expressões idiomáticas.)

8-Leia o texto abaixo.

O alho bento

Mané Frajola não tinha um centavo. Jurou que ia dar jeito na vida. E deu. Catou uma réstia de alho e saiu pro mundo, apregoando:
– Alho bento! Olha o alho bento!
Parou uma velha.
– Alho bento? Serve prá que?
– Isso aqui tira quebranto, olho gordo, azá de 7 anos. É só mordê, comê metade e passá a outra metade em cima do coração!
A velha levou um dentinho, a peso de ouro. Depois veio um velho. Repetiu a pergunta, ouviu a mesma resposta. Levou! De crédulo em crédulo, Mané Frajola vendeu a réstia toda, até o final da manhã. Estava com os cobres. Mas aí veio o Conde Drácula, chegado da Transilvânia e não gostou da história. Aquela cidade toda cheirava a alho. Resultado: Mané Frajola foi contratado como copeiro do Conde para ganhar dinheiro e parar de vender alho bento. Milagre só acontece quando a prosa do contador de causo padece!
http://eptv.globo.com/caipira/

O modo como falam indica que os personagens dessa história são pessoas que


   1. vivem no campo
   2.  vivem em outro país
   3.   falam gírias de jovens
4.  falam trocando letras

(HABILIDADE – Identificar efeitos de ironia ou humor em textos variados.)

9-Leia o texto abaixo.

Desejo de genro

Sogrinha, eu gostaria muito que a senhora fosse uma estrela.
— Quanta gentileza, genrinho. Mas por que você fala assim?
— Porque a estrela mais próxima está a milhões e milhões de quilômetros da Terra.

Calendário 2008 – Ed. Boa Nova Com. Livros Religiosos Ltda. - EPP

O que dá um tom divertido a esse texto?

   1.   A existência de estrelas a milhões de quilômetros do planeta Terra
   2. A gentileza do genro com a sua “sogrinha”, coisa rara de acontecer
   3. O genro chamar a sua sogra de “sogrinha” e querer que ela fosse uma estrela
4.  O genro comparar a distância das estrelas à distância que quer ter da sogra


10-Leia o texto abaixo e resolva a seguinte questão:
                         Beija-Flor
     Segundo estudo da Universidade de Berkeley
 (Estados Unidos), alguns beija-flores machos da
 espécie conhecida como Anna – que vive no sudeste
 do país – conseguem atingir velocidades
 proporcionalmente maiores que a de aviões de caça.
 Em alta velocidade, eles percorrem um trajeto
 equivalente a 383 vezes o comprimento de seu corpo
 por segundo. E tudo isso para impressionar as fêmeas.
                        Revista Planeta n.443. Agosto /2009
O objetivo desse texto é:
A) Apresentar os estudos feitos pela universidade de
Berkeley, no que diz respeito à velocidade dos beija-
flores.
B) Comparar a velocidade do beija-flor da espécie Anna
com a de um avião de caça.
C) Esclarecer que o beija-flor da espécie Anna é 383
vezes mais rápido que o avião.
D) Informar que alguns beija-flores machos atingem
velocidade extrema, para impressionar as fêmeas.
E) Narrar uma história especificando como alguns
beija-flores conquistam as fêmeas de sua espécie.

 
 

plano

p { margin-bottom: 0.21cm; }

PLANO DE AULA 31/10/2011

 

PORTUGUÊS E ARTE

 

OBJETIVOS

LP- Ler e interpretar texto, localizando informações explícitas e implícitas.

AE- Reconhecer os elementos visuais e suas formas de manifestações.

 

CONTEÚDOS

LP- Interpretação textual

AE- Elementos visuais

 

 

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B 1H/A 1º ANO B

 

MATERIAIS

Livro primeiro aprender.

 

METODOLOGIA

Leitura de texto reflexivo e dinâmica de relaxamento.

Leitura de texto e resolução da atividade.

 

AVALIAÇÃO

Assiduidade e participação.

 

 

PLANO DE AULA 03/11/2011

 

PORTUGUÊS E ARTE

 

OBJETIVOS

LP- Desenvolver a habilidade de interpretação de diversos textos.

AE- Identificar as diferentes estruturas do auto da barca de Gil Vicente.

 

CONTEÚDOS

LP- Interpretação de textos.

AE- O auto da barca de Gil Vicente.

 

TEMPO

2H/A 1º ANO A e B 1H/A 1º ANO A

 

MATERIAIS

UCA.

 

METODOLOGIA

Apresentação da peça.

Leitura, explicação, resolução e correção da atividade.

 

AVALIAÇÃO

Desempenho.

 

 
 

atividade

 

p { margin-bottom: 0.21cm; }

Atividade de Língua Portuguesa

(HABILIDADE – Estabelecer relação de causa e consequência entre partes e elementos do texto.

2- Leia o texto abaixo.


Desmatamento da Amazônia

 

O corte de muitas árvores, feito de maneira irregular ou ilegal, provoca a diminuição das chuvas, diminuindo assim a quantidade de água dos rios, por exemplo. Outro problema do desmatamento é a erosão dos solos e o assoreamento dos rios. Isso significa que, sem as árvores, as margens dos rios ficam desprotegidas. Assim, as águas das chuvas carregam terra para dentro do rio, diminuindo seu leito.


CARRARO, Fernando. Amigos do Planeta Azul. São Paulo: FTD, 2006. ( P050190A9_SUP)


De acordo com esse texto, a diminuição das chuvas provoca


a) o aumento do corte de árvores

b) a diminuição da água dos rios

c) a erosão dos solos

d) o assoreamento dos rios.


(HABILIDADE - Inferir o sentido de palavra ou expressão.)


3- Leia o texto abaixo.


O HOMEM DO OLHO TORTO


No sertão nordestino, vivia um velho chamado Alexandre. Meio caçador, meio vaqueiro, era cheio de conversas - falava cuspindo, espumando como um sapocururu. O que mais chamava a atenção era o seu olho torto, que ganhou quando foi caçar a égua pampa, a pedido do pai. Alexandre rodou o sertão, mas não achou a tal égua. Pegou no sono no meio do mato e, quando acordou, montou num animal que pensou ser a égua. Era uma onça. No corre-corre, machucou-se com galhos de árvores e ficou sem um olho. Alexandre até que tentou colocar seu olho de volta no buraco, mas fez errado. Ficou com um olho torto.


RAMOS, Graciliano. História de Alexandre. Editora Record. In Revista Educação, ano 11, n. 124, p. 14.


Leia novamente a frase abaixo.


“Alexandre rodou o sertão, mas não achou a tal égua.”


Nessa frase, rodou significa



a) girou

b) percorreu

c) rodopiou

d) analisou


(HABILIDADE AVALIADA – Identificar o tema de um texto.)


4- Leia o texto abaixo.


Animais têm sentimentos?


Experiências e observações feitas por especialistas mostram que

é possível que bichos sintam alegria, tristeza, raiva ou ciúme, como nós. Eles não falam, mas parecem demonstrar sentimentos em certas ações. Há casos de elefantes que emitem sons diante de ossos de parentes mortos, como se estivessem se lamentando, e de búfalos que deslizam no gelo, aparentemente só por diversão. Os cães, que convivem de perto com os humanos, conseguem expressar muitas emoções, como medo e alegria.

CRISTIANINI, Maria Carolina. Recreio. São Paulo: Abril, ano 9, n. 464, jan. 2009.( P050336A9_SUP)

Qual o tema desse texto?

a) Os sons dos elefantes

b) As brincadeiras dos búfalos.

c) A convivência entre cães e homens

d)O sentimento dos animais


(HABILIDADE – Inferir uma informação implícita em um texto.)


5- Leia o texto abaixo.


O Feitiço do sapo

Eva Furnari


Todo lugar sempre tem um doido. Piririca da Serra tem Zóio. Ele é um sujeito cheio de idéias, fica horas falando e anda pra cima e pra baixo, numa bicicleta pra lá de doida, que só falta voar. O povo da cidade conta mais de mil casos de Zóio, e acha que tudo acontece, coitado, por causa da sua sincera mania de fazer “boas ações”. Outro dia, Zóio estava passando em frente à casa de Carmela, quando a ouviu cantar uma bela e triste canção. Zóio parou e pensou: que pena, uma moça tão bonita, de voz tão doce, ficar assim triste e sem apetite de tanto esperar um príncipe encantado. Isto não era justo. Achou que poderia ajudar Carmela a realizar seu sonho e tinha certeza de que justamente ele era a pessoa certa para isso. Zóio se pôs a imaginar como iria achar um príncipe para Carmela. Pensou muito para encontrar uma solução e finalmente teve uma grande idéia de jerico: foi até a beira do rio, pegou um sapo verde e colocou-o numa caixa bem na porta da casa dela.

FURNARI, Eva. O feitiço do sapo. São Paulo: Editora Ática, 2006, p. 4 e 5. Fragmento.

Colocar um sapo na porta da casa de Carmela foi uma idéia de jerico, porque essa idéia é


a) perigosa

b) absurda.

c) maldosa

d) secreta.

 

 

 

 
 

atividade

p { margin-bottom: 0.21cm; }

(HABILIDADE – Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto.)

6- Leia o texto abaixo.

Só serei feliz

Se tiver grana, roupas legais e puder gastar com o que bem entender.

A gente não vai aqui repetir o velho ditado dizendo que “dinheiro não traz felicidade”, como se isso fosse um consolo para quem está sem grana. Mas também não dá para bancar a cínica e rebater afirmando que “trazer, não traz, mas compra”. Brincadeiras à parte, a verdade é que a felicidade é um estado que não se compra, mas pode ser encontrada nas coisas mais simples da vida. Você pode experimentar, por exemplo:

* Tomar um picolé;

* Levar seus olhos para passear e ver quanta coisa bonita existe na natureza para ser apreciada;

* Dividir uma pizza com os amigos;

* Andar de mãos dadas com o namorado;

* Surpreender seu pai que chegou cansado do trabalho com um beijo carinhoso;

* Sair para passear com seu cachorrinho;

* Tomar conta da filhinha da vizinha e brincar de fazer bolinhas de sabão.

Enfim, dá para resumir em poucas palavras: encontrar a felicidade é bem mais fácil do que você imaginava, não é mesmo?

(Revista Atrevida. Número 161.janeiro/2008.pág.32.Fragmento adaptado.)

Esse texto foi escrito para


a) idosos

b) pais.

c) garotas.

d) namorados


(HABILIDADE – Reconhecer o conflito gerador do enredo.)


7) Leia o texto abaixo.

O Fazendeiro, seu Filho e o Burro

Um fazendeiro e seu filho viajavam para o mercado, levando consigo um burro. Na estrada, encontraram umas moças que riram e zombaram deles:

– Já viram que bobos? Andando a pé, quando deviam montar no burro?

O fazendeiro, então, ordenou ao filho:

– Monte no burro, pois não devemos parecer ridículos.

O filho assim o fez. Daí a pouco, passaram por uma aldeia (...) e uns velhos que comentaram:

– Ali vai um exemplo da geração moderna: o rapaz, muito bem refestelado no animal, enquanto o velho pai caminha, com suas pernas fatigadas.

– Talvez eles tenham razão, meu fi lho, disse o pai. Ficaria melhor se eu montasse e você fosse a pé.

Trocaram então as posições.

Alguns quilômetros adiante, encontraram camponesas, as quais disseram:

– A crueldade de alguns pais para com os filhos é tremenda! Aquele preguiçoso, muito bem instalado no burro, enquanto o pobre fi lho gasta as pernas.

– Suba na garupa, meu filho. Não quero parecer cruel, pediu o pai.

Assim, ambos montados no burro, entraram no mercado da cidade.

– Oh!! Gritaram outros fazendeiros que se encontravam lá. Pobre burro, maltratado, carregando uma dupla carga! Não se trata um animal desta maneira. (...) Deviam carregar o burro às costas, em vez de este carregá-los.

O fazendeiro e o filho saltaram do animal e carregaram-no. Quando atravessavam uma ponte, o burro, que não estava se sentindo confortável, começou a escoicear com tanta energia que os dois caíram na água.

Fábulas de Esopo. www.clubedobebe.com.br

O problema que dá origem à essa história é



a) o fazendeiro e seu filho queriam agradar a todas as pessoas e não conseguiam

b) o fazendeiro e seu filho precisavam chegar rapidamente ao Mercado da Cidade.

c) o burro estava sendo muito maltratado.

d) o burro estava muito cansado de caminhar.

(HABILIDADE – Inferir o sentido de uma palavra ou expressão a partir do contexto.)

8- Leia o texto abaixo.


MORADA DO INVENTOR

A professora pedia e a gente levava, achando loucura ou monte de lixo:

latas vazias de bebidas, caixas de fósforo,

pedaços de papel de embrulho, fi tas,

brinquedos quebrados, xícaras sem asa,

recortes e bichos, pessoas, luas e estrelas,

revistas e jornais lidos, retalhos de tecido,

rendas, linhas, penas de aves, cascas de ovo,

pedaços de madeira, de ferro ou de plástico.

Um dia, a professora deu a partida,

e transformamos, colamos e colorimos.

E surgiram bonecos (...),

bichos (..) e coisas malucas (...)

E a escola virou morada do inventor.

Elias José. Nova Escola, junho 2000, n. 133.

No trecho “Um dia, a professora deu a partida, e transformamos, colamos e colorimos.”, a expressão em destaque significa

a) saiu do local.

b) ligou o carro

c) iniciou a atividade.

d) quebrou um objeto

 

(HABILIDADE – Localizar informações explícitas em um texto.)


9- Leia o texto abaixo.


O PULO

A Onça encontrou com o Gato e pediu:

– Amigo Gato, você me ensina a pular?

O Gato ficou muito desconfiado, mas concordou.

Nas últimas aulas, a Onça pulava com rapidez e agilidade – parecia um Gato gigante.

– Você é um professor maravilhoso, amigo Gato! – dizia a Onça, agradando.

Uma tarde, depois da aula, foram beber água no riacho. E a Onça fez uma aposta:

– Vamos ver quem pula naquela pedra?

–Vamos lá!

– Então, você pula primeiro – ordenou a Onça.

O Gato – zuuum – pulou em cima da pedra. E a Onça – procotó – deu um pulo traiçoeiro em cima do Gato.

Mas o Gato pulou de lado e escapuliu tão rápido como a ventania.

A Onça ficou vermelha de raiva:

– É assim? Esta parte você não ensinou pra mim!

E o Gato respondeu cantando:

– O pulo de lado é o segredo do Gato!


MARQUES, Francisco. O pulo. In: A fl oresta da Brejaúva. Belo Horizonte: Dimensão, 1995.


Para escapar da onça, o gato



a) nadou na água do riacho

b) pulou de lado na pedra

c) cantou para a onça dormir

d) entrou no buraco da árvore



(HABILIDADE – Identificar o propósito comunicativo dos diversos gêneros discursivos.)


10- Leia o texto abaixo.


LIÇÕES EM CASA


Você já notou que muitos bichos preferem ficar em turma? Vivendo em grupo, os mais velhos protegem os mais novos. E os filhotes aprendem a encarar a vida na mata observando os adultos.

Com os humanos acontece a mesma coisa. Rodeado pelos familiares, nos sentimos protegidos. Deles recebemos carinho, cuidados e aprendemos uma porção de coisas.

In: Revista Recreio. Garota Atômica. Ano 05-10/03/05- n° 261


O texto tem a finalidade de


a) fazer um convite.

b) informar sobre alguns hábitos.

c) ensinar uma brincadeira.

d) divertir o leitor.



 

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]

O que é isto?
Visitante número: